quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Grandes Gremistas - Tcheco


Hoje o Blog da Ale estréia seu novo quadro Grandes Gremistas. Eu, Alessandra Formagini, entrevistarei grandes personalidades gremistas que fazem e fizeram história no Imortal Tricolor. São eles torcedores, jogadores que passaram por aqui e dedicaram parte de suas vidas para fazer parte do nosso querido Grêmio.
            Para a estréia, convidei o grande gremista Anderson Simas Luciano, conhecido pela torcida como Tcheco. Tcheco atualmente tem 34 anos e é natural de Curitiba. Teve sua passagem pelo Grêmio entre os anos de 2006-2007 e 2008-2009, conquistando pelo Tricolor dois Campeonatos Gaúchos além do vice campeonato Brasileiro e de ter chegado à final da Libertadores da América.
            Com certeza, Tcheco marcou seu nome na história recente do Grêmio e mais do que isso está no coração dos gremistas que o viram jogar com o manto tricolor. Confira a entrevista exclusiva:


Como surgiu o apelido Tcheco? No início você gostava do apelido?

Meu apelido surgiu quando eu ainda era bebezinho de colo, meus pais me deixavam com meus avós paternos pars poderem trabalhar e minha avó tinha uma vizinha gaúcha que puxava muito o sotaque (tchê)  e toda hora na conversa, como você bem sabe ,se usava o tchê, segundo minha avó, de tanto essa vizinha falar o tchê, diz que eu comecei a falar também o tchê, mas como todos sabem, bebezinho nunca diz correto as coisas e eu falava tcheco, tchezinho, tchequinho e minha avó sempre deu apelidos para seus netos, que passam de 10, e o meu foi Tcheco de tanto falar . Então desde que eu me conheço por gente me conheço por Tcheco, Anderson só no documento e escola.Eu gostava sim do apelido, era diferente , via que ninguém mais tinha esse nome, mas eu gostei muito.”

Um momento da infância, relacionado ao futebol, que se tornou inesquecível?

“Quando o Brasil perdeu a copa do mundo de 82, chorei muito, foi uma seleção inesquecível e me marcou muito.”

Qual foi a sensação de ter vestido a camisa do Grêmio pela primeira vez como jogador?

“Sensação de satisfação, de ter sido uma honra por vestir uma camisa bonita e de tradição forte, de historia marcante no futebol.”

Você imaginava se tornar ídolo e entrar pra história do Grêmio?

“Na verdade não me acho ídolo, foi um tempo difícil pro Grêmio nessa década, mas depois que voltou da 2ª divisão ninguém esperava mais nada do grêmio, se manter na 1ª divisão era lucro depois de tudo que aconteceu, mas nesse mesmo ano fomos campeão gaúcho e voltamos pra libertadores, na qual tiramos vários times de ponta; com elenco muito mais qualificado, como São Paulo, Santos, tudo isso com um time que ninguém esperava chegar a uma final, mas enfim chegamos porque talvez era o Grêmio. Depois chegamos a disputa do titulo em 2008, cheguei a equipe estava em 4° lugar, saiu o Roger e conseguiram me inscrever, ficamos com vice-campeonato, poderíamos ter ficado com titulo, acho que sim, mas mais uma vez o grêmio com um time mais novo da  historia do Grêmio e em média de idade e de todo o campeonato brasileiro também conquistou um vice-campeonato, por ter passado por tudo isso talvez eu me cobre  muito por um titulo que não veio, mas de consciência limpa de ter dado tudo que eu podia, de ter passado por um clube que poderia ser mais um, mas sair dai como  um gremista de coração com certeza. Ídolos são idolatrados pelas suas façanhas, por seus méritos, um clube como o Grêmio tem que ser assim.”

Um momento inesquecível vestindo a camisa gremista?

“Tive vários, mas um deles ter sido campeão estadual no beira-rio e voltar para o Monumental Olímpico pra comemorar com a torcida ,outra foi o bi-campeonato no Monumental Olímpico contra o Juventude e fazendo 2 gols nessa final, foi marcante também, outra foi passar toda libertadores de 2007 com aquele clima que dentro do estádio a torcida fazia era inacreditável e fazendo gols em todos os jogos em casa, menos a final,e vários outros  dentre outros que tive nesse tempo também”

Qual a maior loucura que uma fã já cometeu?

“Hehehe, essa é segredo, mas a mais emocionante foi na semana  de minha despedida, todos os presentes e carinhos que recebi, mas uma senhora veio até o treinamento, numa sexta feira, quando saiu pela porta de traz do carro soluçando e dizendo que veio se despedir de mim, ela me disse que tinha que fazer aquilo pra se sentir bem, saiu chorando,porque ela começou a ter um ataque de choro muito forte, depois vim saber que ela tinha câncer e fazia questão de ir lá, me disse o Fernandão, segurança do grêmio e meu amigo, aquilo me comoveu muito e me marcou muito, e vendo as cartas em casa também, declarações de pais relatando  sobre os filhos, e muitas e muitas outras coisas que me emocionaram.Isso não tem preço que pague, são coisas que a gente não pode comprar ,sem sombra de dúvidas vai estar na minha memória  pra sempre.”

Do que você mais sente saudade no Grêmio?

“De encontrar o Monumental Olímpico lotado, do clima do vestiário antes do jogo e a subida do vestiário pro jogo.”

Você pretende voltar para o Grêmio futuramente?

“Voltar para o clube é um pouco complicado dizer quando e como, porque será outra diretoria, outros tempos, mas sonhar não custa nada, quem sabe  um dia.Gostaria muito de voltar, mas seja onde for quero estar capacitado pro cargo, pretendo estudar um pouco e quem sabe um dia.”

Complete a frase: A torcida gremista é única porque...

 “Torcida gremista é a única porque é IMORTAL ou porque é simplesmente fácil de se apaixonar.”

Gostaria de deixar um recado para torcida?

"Um recado seria para nunca perder essa essência, essa loucura que transmite para os jogadores dentro e fora de campo de como se deve torcer. Obrigado pelo carinho, sinto muitas saudades dai, deixei amigos dentro e fora do clube e com certeza quando parar de jogar que vai ser esse ano certamente em alguns jogos estarei no Olímpico para assistir alguns jogos importantes.”

            O Blog da Ale agradece a participação do Tcheco e deseja muito sucesso e felicidade a esse grande gremista que ficou na história do Grêmio.

9 comentários:

Wilson Hebert disse...

Muito boa a entrevista, Ale.

Parabens. Beijos!

Bruno Muniz disse...

Bacana a entrevista Ale, te dei algumas dicas ai não se esqueça. Parabéns!

André Peixoto disse...

Fala Ale...que orgulho *---*

Você e seus contatos...
Gostei muito qdo ele disse sobre a velhinha que tinha cancer, ficou emocionado, isso mostra a identificação com o clube e torcedores.

Bjo

walysson disse...

me engana qu eu gosto

Ale Gremista disse...

Esta entrevista foi feita por e-mail com o Tcheco, se não acreditas Walysson, só tenho a lamentar...

Abraços e obrigada por todos os comentários!

jonas disse...

Bacana a entrevista, sempre gostei do tcheco como jogador do grêmio, mesmo não sendo aqele ídolo, ou o melhor em campo, mas esse sim era um gremista de verdade, lutnado pelo manto..

Taliita disse...

AAAAAAAH que liiindo *o*
ameeeei a entrevista, quase chorei [/denovo :]

Aline disse...

AlÊ parabéns! Senti vontade de chorar, gosto muito do Tcheco, acho que é um exemplo de caráter principalmente como jogador.

Anônimo disse...

Ai gosto muito tcheco ele é muito bbonito,acho que ele é o exemplo de todo o time